Pular para o conteúdo principal

Receita fácil de hambúrguer de carne moída

Olá pessoal, como estão as coisas? Passo aqui para deixar uma receitinha básica, até demais, de um hambúrguer simples, sai bem barato também.

Vou dar a receita sem "arrudei". Aquela que você vai usar como base para criar seus hambúrgueres muito doidos, que todos os amigos vão amar e ficar enchendo seu saco: - "vamo fazer hambúrguer hoje?". - Vai ficar massa e gostoso! Bora!? 

INGREDIENTES

500g de carne moída (eu usei coxão duro)
3 ovos 
1 cenoura pequena
100g de farinha de rosca (eu fiz em casa, usei dois pães)
1 sachê de sazón
coentro, sal e cebola à gosto 


MODO DE PREPARO

Em um recipiente grande para que você possa juntar todos os ingredientes, coloque a carne e os temperos. 

Bom, eu não meti a mão na carne para fazer a bolinha e achatar, peguei com uma colher o total que achei que seria o tamanho ideal e pus direto na frigideira com margarina, (pode usar azeite, manteiga ou óleo) logo após com a frigideira fechada, é só esperar até que fique dourado, vire os lados e está pronto.

Fique à vontade para  moldá-los. Os hambúrgueres podem ser altos ou baixos. Porém os mais altos serão mais difíceis de acertar o ponto de cozimento, porque podem ficar mal passados ou secos demais por fora (por necessitar de mais cozimento). Sugiro que comece por hambúrgueres mais baixos até "pegar a manha" do cozimento. Só não faça tão baixos quanto os congelados, certo?

É isso, hora de servir! 

Se preferir pode comer com uma salada de legumes, com arroz, ou com o tradicional pão de padaria, amo! 

Você pode usar a imaginação. Fazer o hambúrguer do jeito que quiser, com frango, somente com legumes, enfim, da forma que preferir. Crie o seu e volte aqui para me dar a receita. 

Grande abraço,
LUZ E PAZ!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um breve relato

Como muitos sabem, um hobby meu, minha paixão mesmo, é cantar.
Digo muitos, porque como moro em uma cidade pequena, então quase todo mundo sabe quem é quem. rsrs.

Quando eu era criança comecei a cantar e me envolvi e desenvolvi um gosto imenso pela música. Gravei até fitas (sim, naquela época eram, fitas) não eram ruins não. Cantava musiquinhas que aprendia na escola, como: "uma formiguinha corta folha e carrega..." Sem dúvida daria continuação a várias delas com um pouco de maturidade que adquiri ao longo dos longos anos.
Como faria isso? eu não tinha oportunidades e não sabia tocar qualquer instrumento. Então, seria inviável tentar buscar e realizar esse sonho e dom. 

A vontade de cantar profissionalmente despertou ainda mais com o passar do tempo. Desde sempre ouço elogiarem minha voz . Sonhei em me tornar, em mostrar o meu talento. 

Mas essa vontade ficou por muito tempo engavetada por falta de oportunidades, mesmo com os meus pais que sempre me apoiaram. Mas também, eu achav…

Trend alert: meia arrastão: sim ou não?

A meia arrastão foi sensação nos anos 80 e 90, e muito popular no guarda-roupa de famosas, como Cindy Lauper e Madonna. Tinha uma pegada mais punk e rock. Como os tempos mudam, para algumas mulheres, a meia arrastão é considerada sensual, já para outras, é um tanto brega. Pois é, mas o fato é que elas voltaram á tona, chamam sim a atenção e têm conquistado o closet de várias fashionistas.



Desprendendo-se do (in)útil

Quem nunca?  "vou dar uma geral no meu guarda-roupas." Ou seja qualquer parte do quarto ou da casa que necessite de "um grau". Daí surge o pensamento: "é melhor deixar porque vai que volte a moda, ou talvez se eu me arrepender..." - coisa chata, é incerteza! - E com isso passam-se os dias, semanas, meses e até anos e você não precisou deste item. (kkkkkkk) O que acabou amontoando as gavetas, ou (falando de objetos), acumulou poeira. 
Muitas vezes você acaba até esquecendo o que possui.
É certo que há coisas mais fáceis e outras mais difíceis de se desfazer (revistas, apostilas daquele curso que já acabou, agendas, CD's, jornais, eletrodomésticos que já não funcionam, roupas que nos trazem boas memórias)
Em contrapartida, é necessário ter noção que aquele item, está a ocupar um espaço que provavelmente pode ser útil para outra coisa.
E convenhamos que quando começam os questionamentos sobre a importância dos objetos em nosso local de convívio, é porque já nã…